PB termina 2023 com saldo de 19.265 empregos formais
7 de fevereiro de 2024
Redação

Paraíba terminou o ano de 2023 com um saldo de 19.265 mil empregos com carteira assinada. Ao longo dos 12 meses, foram 199 mil admissões e 179,8 mil desligamentos. Os dados do Novo Caged foram atualizados nesta terça-feira, 30 de janeiro, pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).
 

O saldo paraibano é consequência do resultado positivo alcançado em quatro dos cinco setores da economia avaliados pelo Novo Caged. O ciclo anual fechou com 10.188 novas vagas no setor de Serviços, 5.977 no Comércio, 5.210 na Construção e 142 na Agropecuária. No período, o setor da Indústria registrou queda, com 2.248 postos de trabalho a menos.
 

Na divisão por municípios, João Pessoa foi a cidade que mais gerou oportunidades de emprego formal no estado em 2023. O saldo foi de 10.447 vagas com carteira assinada na capital do estado. Na sequência aparecem Cajazeiras (1.770), Cabedelo (1.594), Bayeux (666) e Mamanguape (490).
 

No estado, os novos postos de trabalho foram ocupados, em sua maioria, por pessoas do sexo masculino (+12.736). Paraibanos com ensino médio completo foram os principais atendidos (+17.909) com as vagas. Jovens entre 18 e 24 anos também são o grupo com maior saldo de vagas: 16.465.
 

SAZONAL — Em dezembro, mês que sazonalmente é de mais demissões do que contratações, houve 11,9 mil admissões e 13,4 mil desligamentos na Paraíba, um saldo negativo de 1.504 vagas.
 

NACIONAL — No país como um todo, o saldo de empregos formais foi de 1,48 milhão de vagas com carteira assinada em 2023, resultado de 23,2 milhões de admissões e de 21,7 milhões de desligamentos.
 

O saldo positivo foi registrado nas cinco regiões e nas 27 unidades federativas, segundo os dados do Novo Caged (confira infográfico). A região com maior número de empregos gerados foi a Sudeste, com saldo de 726,3 mil vagas criadas ao longo do ano.
 

É também no Sudeste que estão os três estados com maior número de vagas com carteira assinada geradas no ano. São Paulo terminou 2023 com saldo de 390,7 mil vagas, seguido por Rio de Janeiro (160,5 mil) e Minas Gerais (140,8 mil).
 

SETORES — O maior crescimento do emprego formal ocorreu no setor de Serviços, com um saldo de 886.256 postos de trabalho (+4,4%), com destaque para Informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas (380.752) e Administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais (204.859).
 

O segundo maior crescimento ocorreu no setor de Comércio, com saldo de 276.528 postos de trabalho (+2,9%), explicado pela forte aceleração do setor no quarto trimestre, tendo o Comércio Varejista de Mercadorias gerado 39.042 vagas e Minimercados 13.967, além do Comércio de Combustíveis para veículos que gerou 15.002 postos no ano.
 

A Construção Civil, com um saldo de 158.940 (+6,6%), ficou em terceiro, seguido pela Indústria, que gerou 127.145 postos de trabalho (+1,5%) e a Agropecuária com 34.762 postos de trabalho (+2,1%) gerados no ano.
 

GRUPOS — Os resultados mostram ainda que a geração de empregos foi maior entre os homens (840.740 postos) do que entre as mulheres (642.892 postos). Para a população com Deficiência, o saldo foi de 6.388 postos de trabalho, um crescimento de 40,1% em relação a 2022, mostrando o resultado das ações de inclusão.
 

No quesito raça/cor houve uma grande evolução do número de declarações preenchidas ao longo de 2023. A maior geração de vagas no ano foi para pardos (+682.072), seguido por pretos (+136.934), brancos (+135.441), amarelos (+42.391) e indígenas (+1.539).
 

SALÁRIO — O salário médio real de admissão em dezembro foi de R$ 2.026,33, apresentando estabilidade com leve redução de R$ 6,52 quando comparado com o valor corrigido de novembro (R$2.032,85). Já em comparação com o mesmo mês do ano anterior, o que desconta mudanças decorrentes da sazonalidade do mês, o ganho real foi de R$40,17 (+2,0%).

Compartilhe: