Mulheres visitam produção agroecológica em Sousa
12 de abril de 2024
Redação

Um grupo de mulheres atendidas pelo Instituto Flor do Cajueiro no interior da Paraíba realizou, nesta última quarta-feira (10) uma visita técnica para conhecer o projeto “Agroecologia familiar sustentável”, que conta com o apoio do Sebrae/PB, IFPB e Prefeitura Municipal, em Sousa, região do sertão do estado. A iniciativa, que consiste no plantio de hortaliças, folhagens, verduras, entre outros produtos, tem gerado novas oportunidades e vem incentivando o empreendedorismo feminino a partir da adoção de práticas agroecológicas.

O propósito da agenda também teve o intuito de entender a dinâmica de organização das mulheres em suas atividades em grupo. O trabalho de produção do plantio se concentra em duas áreas que estão reservadas ao projeto, uma com dimensão de um hectare localizada no perímetro irrigado das Várzeas de Sousa, direcionada para atuação da Associação Comunitária de Mulheres Rurais das Várzeas de Sousa, e outra no perímetro irrigado de São Gonçalo, com lotes individuais para produção.

De acordo com a representante do Instituto Flor do Cajueiro, Cláudia Lima, que é também socióloga e coordenadora do programa Ater Mulheres, no estado, o objetivo foi proporcionar a troca de conhecimento entre os grupos e mostrar como é desenvolvido o plantio.

“Esse grupo é formado por 37 mulheres do distrito de Gravatá, em São João do Rio Peixe, que fica localizado na região sertaneja. Elas foram contempladas com o programa Ater Mulheres, vinculado à Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater), e estão com a missão de desenvolver uma experiência semelhante. O objetivo dessa visita foi mostrar o exemplo da atividade na prática”, explicou.

Cláudia Lima destaca ainda que um dos critérios estabelecidos pelo programa é estimular o cultivo de produções geradoras de alimentos agroecológicos. “Queremos com essa ação proporcionar autonomia, empoderamento feminino e também gerar visibilidade para mostrar a importância do trabalho coletivo e como essas mulheres podem conquistar sua independência”, concluiu.

Por sua vez, a presidente da Associação Comunitária de Mulheres Rurais das Várzeas de Sousa, Maria Aparecida Gomes da Silva, enalteceu o trabalho das mulheres que fazem parte do projeto e agradeceu a visita do grupo. “Foi uma oportunidade para apresentar nossa história e explicar como tudo começou, além de falar sobre os desafios do trabalho no campo. É gratificante saber que outras pessoas estão buscando ideias a partir do nosso projeto”, comentou.

O analista técnico do Sebrae/PB, Fabrício Vitorino, também acompanhou a visita do grupo no plantio e ressaltou a parceria estabelecida entre as instituições em favor do projeto. “Isso demonstra que o trabalho que vem sendo feito está surtindo resultado. Trata-se de um grupo produtivo que trabalha com alimentos saudáveis e que nesse momento é referência para outras comunidades”, disse.

Além de garantir a produção de alimentos saudáveis e sem uso de agrotóxico, o modelo de produção agroecológica tem como vantagem o manejo responsável dos recursos naturais, permitindo uma melhor condição para fertilidade e proteção do solo.

Compartilhe: