Mike Deodato Jr., o astro dos quadrinhos
7 de fevereiro de 2024
Redação

Atualmente à frente dos desenhos na revista do Flash, Deodato já trabalhou na DC com personagens como Batman e Mulher Maravilha. Na Marvel, o brasileiro já ilustrou em títulos do Hulk, Thor e Vingadores. Esse paraibano que é uma estrela mundial dos quadrinhos, bateu um papo descontraído no podcast foradoeirxo.rec qie você confere no nosso canal no YouTube.

Mike Deodato se tornou quadrinista influenciado pelo pai, Deodato Borges, que lhe ensinou a desenhar e apresentou os trabalhos dos mestres Will Eisner, Burne Hogarth e muitos outros. Seu pai era jornalista, radialista, roteirista, além de quadrinista, criador de ‘As Aventuras do Flama’, surgida nas novelas de rádio em 1963, cujo personagem foi um dos primeiros a aparecer em revistas em quadrinhos publicadas no Nordeste brasileiro.

Aos 15 anos, no final da década de 1970, Mike lançou a primeira revista independente de HQ de seu personagem, o Ninja, em parceria com José Augusto (roteiro), em formato de fanzine.

Nos anos 80 publicou charges e cartuns em jornais da Paraíba até lançar o personagem ‘Carcará’, ao lado do pai; duas histórias de ficção científica pós-apocalípticas: ‘3.000 anos depois’ e ‘Ramthar’, ambas publicadas na revista ‘Schwermetall’.

Deodato entra no cenário internacional depois de desistir do curso de Comunicação pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), e participar do 13º Festival Internacional de Quadrinhos de Angoulême, na França. A partir daí, ao mesmo tempo em que trabalha como diagramador e desenhista nos jornais paraibanos publica trabalhos na Europa (Bélgica, França e em Portugal).

Na década de 1990, desenha ‘Lost in Space’ e ‘Beauty and the Beast’, pelo selo de quadrinhos americano Innovation Comics, sendo estas baseadas em séries de TV. Desenhou ainda ‘Miracleman Triumphant’ (com Fred Burke no roteiro) pela editora Eclipse, e ‘Hibrides’, com arte-final de Neal Adams, na Editora Continuity do próprio Neal Adams.

Tornou-se conhecido no mercado americano e mais ainda no brasileiro ao desenhar em 1994 a ‘Mulher-Maravilha’ (DC Comics). Antes, em 1992, ele já tinha feito um trabalho para a ‘Malibu Comics’ (Santa Claws, conhecido como ‘Noite Mortal’ no Brasil). Contratado pela Marvel Comics, ele ilustraria vários heróis conhecidos, tais como ‘Os Vingadores’, ‘Thor’, ‘Hulk’, além da revista mensal de ‘Elektra’, dentre muitos outros. Pela Image Comics desenhou ‘Glory’, personagem cuja série foi publicada no Brasil pela Editora Abril.

O traço clássico de Deodato, além de lembrar ilustres antecessores como Frank Frazetta, Neal Adams e Will Eisner, tem um domínio do claro-escuro digno de nota, seja em preto-e-branco ou colorido.

O traço comics de Deodato, apesar de ter a agilidade típica dos quadrinhos norte-americanos, tem influência de grandes desenhistas como Carmine Infantino, Gil Kane e Sal Buscema, passeando entre a caricatura e o desenho estilizado-realista de artistas mais novos como George Pérez.

Compartilhe: