Agrovila de Acauã inicia cultivo de roçado coletivo
11 de maio de 2023
Redação

Com a efetiva participação das mulheres agricultoras, foi iniciado, nessa quarta-feira (10), o plantio de culturas consorciadas de algodão, milho e feijão do roçado coletivo do Projeto Agrovila Águas de Acauã, implantado pelo Governo do Estado como uma reparação histórica a famílias que foram impactadas pela Barragem de Acauã e que, havia 20 anos, aguardavam solução. Tudo é cultivado de forma orgânica, em mais de 16 hectares, o que garante segurança alimentar e renda com a comercialização de parte da produção.

O Projeto é composto por 150 hectares de área, onde estão sendo assentadas 100 famílias, cada uma contemplada com 1,5 hectares da propriedade, sendo mais de 25 hectares são para cultivo de uso coletivo e da cooperativa.  

Para o coordenador do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), produtor rural Osvaldo da Silva, o plantio coletivo é uma ação de fundamental importância para todos, porque conta com vários parceiros. Fazem parte da iniciativa, a prefeitura municipal de Itatuba e o Governo do Estado, por meio da Empresa Paraibana de Pesquisa, Extensão Rural e Regularização Fundiária (Empaer), vinculada à Secretaria do Desenvolvimento da Agropecuária e da Pesca (Sedap), que presta a assistência técnica continuada. “O importante agora é que plantamos o algodão orgânico já com a venda garantida, além do que teremos o milho e o feijão para nosso consumo e a venda do excedente”, afirmou Osvaldo.

Ele informou que, antes dessa fase de plantio, na área destinada às famílias de assentados, todos trabalhavam com plantações de milho, feijão, banana, hortaliças e frutas que são repartidas entre todos.

Para o secretário de Agricultura de Itatuba, Gideilson dos Santos, o projeto produtivo executado pelo Movimento dos Atingidos pela Barragem é de grande importância para o município porque está sendo cultivado algodão onde antes eram criados gado e ovelhas, e servirá de modelo para a região do Agreste. 

O algodão, o milho e o feijão são cultivados em forma de sequeiro, também porque é executado de forma coletiva entre as famílias. Ao final da colheita, tudo será repartido igualmente entre todos. A agricultora Lea da Silva, que integra o grupo de mulheres, afirmou que “todos estavam vivendo um sonho” com a implantação do roçado coletivo. “Um sonho porque há 20 anos que todos nós lutávamos por este espaço e que só agora está sendo realizado”, disse.

O projeto Agrovila Águas de Acauã, implantado pelo Governo do Estado, contempla 100 unidades habitacionais, além do abastecimento d’água completo — com investimentos que ultrapassam os R$ 10 milhões. Cultivo de uso coletivo e da cooperativa e para a associação dos moradores e produtores, escola, campo de futebol, Unidade Básica de Saúde, praça e centros religiosos estão entre os benefícios.As famílias atendidas pelo projeto haviam sido desalojadas pela barragem Acauã, que atingiu seis comunidades rurais: Pedro Velho, Riachão, Cajá, Costa e Melancia, todas no município de Itatuba.

Compartilhe: