Cagepa aponta roubo de àgua em Cabedelo
7 de fevereiro de 2024
Redação

Dos 120 imóveis visitados pela Companhia de Água e Esgotos da Paraíba (Cagepa) na primeira semana do Mutirão de Fiscalização em Cabedelo, 54 apresentavam algum tipo de irregularidade. Ou seja, praticamente metade das inspeções acabaram em flagrante de furto de água. A ação iniciou no último dia 8 e deve seguir até o fim do mês de fevereiro, nas praias de Camboinha, Formosa, Ponta de Campina e Intermares.

O mutirão tem o objetivo de normalizar a distribuição de água na área, que vinha sofrendo intermitências causadas por esse tipo de irregularidades. As reclamações partiram dos próprios moradores, que reportaram à Cagepa sobre a falta de abastecimento na região. No entanto, a companhia não havia identificado, até então, qualquer problema técnico-operacional que justificasse a falta d’água e, por esse motivo, decidiu iniciar a investigação.

O gerente regional da Cagepa no Litoral, Walace Oliveira, conta que a ação já vem surtindo efeito. “Em apenas uma semana de trabalho, a gente já verifica melhoria de pressão na rede de abastecimento e uma queda muito significativa no número de queixas por falta de água”, disse. 

Foram registradas 37 religações clandestinas, três by-pass, seis intervenções indevidas no ramal, três ligações clandestinas, quatro religações com inversão de hidrômetro e um caso de fornecimento indevido. “Com as ações de fiscalização, baixamos nosso índice de perdas. A ação seguirá por todo o período de férias (janeiro e fevereiro), pois a região fica bastante populosa, com os imóveis de veraneio ocupados. Com isso, conseguimos maior eficácia no combate às irregularidades”, explicou o subgerente comercial da Cagepa no Litoral, Thiago Heleno,

Saiba como denunciar – A população também pode contribuir. Quem perceber qualquer tipo de irregularidade na rede de abastecimento de água pode denunciar imediatamente o fato à polícia ou à própria Cagepa, pelo teleatendimento 115 ou por qualquer um dos demais canais de atendimento da Companhia.

“A fraude causa prejuízo financeiro à Cagepa, mas o prejuízo maior é a população ficar sem abastecimento por causa da ação irregular de uma pessoa em benefício próprio”, argumenta o diretor de Operação e Manutenção Thiago Pessoa.

Furto de água é crime – A prática de adulterar o sistema de fornecimento de água é enquadrada como atentado contra o patrimônio, segundo o artigo 155 do Código Penal Brasileiro. De acordo com a lei, no Art. 155, subtrair, para si ou para outrem, coisa alheia móvel: Pena — reclusão, de 1 a 4 anos, e multa.

Denúncias de irregularidade no consumo de água podem ser feitas, de forma anônima, nos canais de atendimento da Companhia. Basta ligar para o número 115; a ligação é gratuita e pode ser realizada de telefone celular. Ou ainda pelos demais canais de atendimento: WhatsApp (83) 98198-4495, no site cagepa.pb.gov.br e aplicativo Cagepa, disponível no Google Play e App Store.

Compartilhe: