Blocos de rua movimentam economia
7 de fevereiro de 2024
Redação

Em 2024, o Carnaval acontece mais cedo, logo no começo de fevereiro. Por se tratar de um momento de festa que é popular no Brasil, várias pessoas investem altas quantias na folia, seja com fantasias, com viagens para ir a locais famosos por celebrações da data, e também gastando um pouco menos, para acompanhar os blocos de rua que vem ganhando cada vez mais destaque pelo país. Tudo movimenta a economia.

Segundo o especialista em finanças pessoais, João Victorino, o Carnaval é um período bem positivo para a economia do Brasil de forma geral, pois movimenta diversos setores, como o de viagens, o de hotelaria, o de gastronomia, o de entretenimento, entre outros. A prova disso está nas estimativas, como a estabelecida pela prefeitura de Salvador, que acredita que o Carnaval 2024 injetará cerca de R$ 2 bilhões na economia da cidade com a movimentação de mais de 800 mil turistas.

Dados da plataforma de viagens Decolar apontam que a busca por pacotes de viagens para o Carnaval de 2024 aumentou no Brasil, com um crescimento de 114% em comparação com o ano passado. Alguns destinos são os favoritos: Maceió (AL), Rio de Janeiro (RJ) e Salvador (BA). E as cidades da região Nordeste são as que mais se destacam: Porto Seguro (BA), Natal (RN), Fortaleza (CE), Porto de Galinhas (PE), Recife (PE), Maragogi (AL) e João Pessoa (PB).

João também fala de uma outra tendência que vem ganhando força no Carnaval do país, que é a dos blocos de rua, que possuem cada vez mais destaque e investimento. “Esse fenômeno está crescendo com o passar dos anos. Rio de Janeiro e Salvador se tornaram grandes polos do Carnaval e possuem blocos de rua, que são procurados por pessoas do país inteiro e por estrangeiros também. Vemos que está se expandindo para outras cidades, como São Paulo, que cada vez mais investe em uma celebração organizada e que atrai multidões”, afirma.

Dados da Prefeitura de São Paulo indicam que este ano a cidade terá 579 blocos de rua oficiais e a expectativa é de que a festa movimente mais de R$ 3 bilhões, o que irá mobilizar vários trabalhadores. As cidades levam a organização tão a sério, que existe um site – Blocos de Rua – para o cadastro de ambulantes para o Carnaval, onde é possível ter acesso à agenda que consta a programação completa e também a lista de blocos de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Florianópolis, Recife e Olinda, Brasília, Porto Alegre e Fortaleza.

João também menciona que o período do Carnaval se revela uma oportunidade valiosa para aqueles que têm a possibilidade de alugar apartamentos, casas e quartos para viajantes que buscam aproveitar a data. Nesse momento festivo, muitas pessoas buscam alternativas de hospedagem além dos tradicionais hotéis, optando por espaços mais aconchegantes e personalizados. Essa demanda crescente oferece aos proprietários a chance de obter uma renda extra significativa, aproveitando a alta procura por acomodações temporárias.

Por essa razão, o especialista defende que o Carnaval pode ser vantajoso para as finanças, tanto pessoais quanto do país. “A nossa economia tem mudado rapidamente com essas novas tecnologias, a chamada gig economy movimenta bilhões em entrega de mercadorias, transporte de pessoas, produção de conteúdos e serviços. Uma parte dos trabalhadores desse segmento se dedica a trabalhos temporários, principalmente aqueles focados em eventos. E o Carnaval é um grande evento, que pode ser uma boa oportunidade de reforço de renda das pessoas que já atuam em turismo ou mesmo para os desempregados”, finaliza.

Compartilhe: